Categorias
Cemitério

Velório: tudo que você precisa saber

(11) 4395-8039

Blog

Velório: tudo que você precisa saber

Garantir uma despedida respeitosa é o melhor que podemos fazer por familiares, parentes e amigos que faleceram. Por isso, o velório é um momento que requer cuidados que envolvem tanto questões emocionais quanto burocráticas.

Muitas vezes, somos pegos de surpresa com essas perdas, fazendo com que o evento se torne ainda mais difícil. No entanto, por ser uma realidade inevitável a todos, é importante ter conhecimento prévio de como proceder.

Neste post, vamos esclarecer todos os pontos que você precisa saber sobre o que fazer em casos de falecimento, incluindo documentações e demais detalhes necessários para oferecer uma despedida digna às pessoas que ama. Continue a leitura e se prepare melhor.

O que fazer antes do velório
Receber a notícia do falecimento de uma pessoa é sempre impactante, mesmo quando há indícios dessa possibilidade, como em casos de pessoas idosas ou hospitalizadas. Além das questões emocionais, é preciso lidar com toda a parte burocrática que envolve a situação que, para cada caso, requer atitudes diferentes.

Falecimento por morte natural
Quando o falecimento acontece naturalmente e em casa, é preciso que um familiar próximo ou responsável chame um médico para constatar o óbito. Somente dessa forma é possível obter a Declaração de Óbito.

Se, porventura, não houver um médico que possa fazer isso, é necessário acionar o SAMU e procurar uma delegacia para registrar um boletim de ocorrência. Nesse caso, o delegado solicitará que a perícia se dirija à residência do falecido e, após, acionar o transporte para o IML (Instituto Médico Legal).

Falecimento por morte violenta
Independentemente de a morte ter ocorrido em casa, em via pública ou em outros lugares, mortes violentas precisam ser comunicadas à polícia. Assim sendo, é preciso um parecer da perícia técnica e científica antes do encaminhamento do corpo para o IML.

Falecimento em hospital
Mortes ocorridas em hospital podem ser tratadas de duas formas distintas. Antes de completar 24 horas de internação, o médico deve encaminhar o corpo para necrópsia para verificação do motivo e só depois emitir a Declaração de Óbito.

Caso o falecimento ocorra após 24 horas, o próprio médico responsável pelo paciente pode atestar a declaração, desde que não haja impedimentos legais ou éticos para isso.

Documentação necessária para liberação do velório
Com a liberação do corpo, chega o momento de preparar o velório. Mas antes de escolher a melhor forma de homenagear a pessoa querida, há outros detalhes burocráticos que precisam de atenção.

Declaração de Óbito
A declaração de óbito já citada neste texto, consiste em um documento assinado por um médico em que constam a causa e o horário da morte. Entretanto, essa assinatura também depende do motivo do falecimento e vai de acordo com os casos explicados anteriormente.

Laudo policial
É preciso apresentar esse documento para liberação do velório e do sepultamento em casos de morte ocorrida por acidente ou motivos violentos. Ele é emitido pela polícia após análise do Instituto Médico Legal, que determina a causa do falecimento e informações que podem levar, ou não, a uma investigação criminal.

Atestado de Óbito
Apesar de ser bastante confundido com a declaração, o atestado de óbito é emitido posteriormente a ela.

Trata-se de um documento expedido pelo cartório, com base nas informações apresentadas na declaração e no laudo policial, quando houver. Somado a esses, os documentos pessoais da pessoa falecida também precisam ser apresentados pelos familiares ou responsável.

O Atestado de Óbito contém todas as informações do falecimento, tais como dia, hora, local e causa, mas também dados como estado civil do falecido e nome do cônjuge; quantidade de filhos e nomes; se deixou bens, entre diversas outras informações.

Também chamado de Certidão de Óbito em algumas regiões, é com ele que a família dará prosseguimento ao velório e sepultamento. Ele também é fundamental para outras questões burocráticas, como encerramento de contas bancários, solicitação de seguros, inventário, saque do FGTS, entre outros.

Guia de sepultamento
Esse documento é o último passo antes do velório. Nele, é registrado e autorizado o sepultamento. Para sua emissão, é preciso ter definido onde e quando ocorrerá o enterro e, sempre que possível, já ter contratado os serviços funerários que o atenderá.

De modo geral, ela é emitida pela própria funerária contratada. Mas caso os familiares queiram, podem solicitar o documento por conta, indo diretamente a um cartório de registro civil em posse da Declaração de Óbito e dos documentos pessoais da pessoa falecida.

O que considerar na hora de preparar o velório
O velório é o momento reservado para que familiares, parentes e amigos se despeçam da pessoa querida. Por ser considerado um último encontro, é nessa hora que são prestadas as últimas homenagens e, também por isso, deve ser pensado com cuidado e muito carinho.

Preparo
O primeiro ponto que precisa de atenção na hora de providenciar um velório é o tempo que o corpo pode ficar exposto antes do sepultamento. De acordo com a Anvisa, o máximo permitido é de 24 horas, que são contadas a partir do falecimento.

Assim, se houver a necessidade de transporte do corpo para outra região, ou de aguardar amigos e parentes que venham de longe para a cerimônia, é preciso que a família solicite o preparo do corpo. O método de conservação garante que esse fique apresentável por mais horas, garantindo que todos consigam se despedir.

Cerimônias
Flores e demais agrados são itens comuns na hora de prestar uma última homenagem, mas o velório também é cercado por questões religiosas. O primeiro passo para definir o tipo de cerimônia que será oferecida deve ser considerar as crenças e vontades da pessoa falecida, respeitando, dessa forma, a religião que ela seguia em vida.

Isso também pode influenciar no local do velório, que não necessariamente precisa acontecer nas salas especiais dos cemitérios. Dependendo da crença, a cerimônia pode ser feita em um templo, capela ou até mesmo na casa do falecido.

Quais alternativas após o velório
Após todos se despedirem durante a cerimônia de velório, chega a hora do sepultamento. Para esse momento, os familiares têm duas alternativas, sendo o enterro tradicional ou a cremação.

A primeira opção acaba sendo a mais escolhida e isso ocorre por diversos motivos. Muitas pessoas ainda acreditam que enterrar é mais barato do que cremar. Em um primeiro momento isso até pode ser verdade, no entanto, o sepultamento tradicional gera custos em longo prazo, que envolvem valores referentes a manutenções, remoção de ossadas, uso do jazigo, entre outros.

Já o serviço de cremação pode até requerer um pouco mais de investimento no ato da contratação, mas depois a família fica livre de qualquer despesa e ainda tem a possibilidade de dispensar as cinzas do ente querido em um lugar importante para ele.

Os custos do velório e das demais etapas
Não há uma tabela fixa que determine os custos relacionados ao velório e ao sepultamento. Além de variar de região para região, há outros fatores que alteram esses valores, tais como o tipo de urna funerária (caixão) escolhida, se será enterro tradicional ou cremação, entre outros pontos.

No entanto, por ser uma condição que todas as famílias passarão um dia, é importante estar preparado para ela.

Por isso, em vez de dispensar de imediato e sem aviso uma quantia para dar uma despedida justa ao seu ente querido — a qual, muitas vezes, você não dispõe —, a melhor opção é contar com um plano funerário que pode ser pago ao longo da vida.

Dessa forma, tanto você quanto seus familiares estarão cobertos e poderão contar com toda ajuda necessária em todas as etapas, indo desde o apoio com a documentação, passando pelo preparo do velório e sepultamento.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Sempre estaremos acendendo uma luz de amor, de carinho, de lembrança, de gratidão, por tudo que eles significaram em nossas vidas.

© Todos os direitos Reservados

×